Dupla é presa transportando maconha em caminhão da prefeitura na Bahia

Um homem apontado como o líder do tráfico de drogas na Fazenda Grande do Retiro, em Salvador, e um comparsa foram detidos transportando 52 quilos de maconha em um caminhão pelo sistema ferryboat. A prisão ocorreu na noite da última quinta-feira, 20.

Os homens levavam o entorpecente para a ilha, no município de Vera Cruz. Para transportar a droga, os suspeitos utilizam um caminhão que usava um selo de prestação de serviço para a Prefeitura de Salvador. A tática dos suspeitos, ao usar um veículo com a marca da Secretaria Municipal de Manutenção, segundo a polícia, era não chamar atenção em blitz.

A ação que resultou na prisão Humberto Santos Gomes, 32 anos, o "Papel", e Wellington de Oliveira Santos, também de 32 anos, foi coordenada pelas Operações Especiais (COE) da Polícia Civil e faz parte da operação "Conhecer, Operar e Aproximar (COA)".

Revezamento

Ainda de acordo com a polícia, Wellington "revezava o uso do caminhão, placa NZH-2204, para serviços da Prefeitura de Salvador e tráfico de drogas". Os homens foram apresentados no Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) e autuados por tráfico de drogas e associação criminosa.

Ainda segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Humberto já tinha sido preso por assassinato em 2011 e atualmente possuía dois mandados de prisão em aberto por homicídio e tráfico de drogas.

O secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa, afirmou que, "de uma só vez, retiramos das ruas um criminoso responsável por homicídios e distribuição de drogas, para Região Metropolitana de Salvador".

Posição da prefeitura

Em nota, a Prefeitura de Salvador informou que o caminhão, usado pelos suspeitos, "não pertence ao município". O órgão ainda afirmou que uma "apuração feita pela Seman (Secretaria Municipal de Manutenção) verificou que se trata de um veículo particular subcontratado de forma irregular pela empresa Roble para realizar o transporte de materiais de construção destinados a uso em obras de escadarias na Capelinha de São Caetano".

A gestão municipal ressaltou também que, "diante do procedimento fora dos padrões contratuais, a Prefeitura de Salvador, por meio da Seman, vai tomar as medidas cabíveis contra a Roble, que jamais deveria possibilitar o uso da marca institucional em veículos sem o devido contrato com o município".

 

 

Fonte: A Tarde

Deixe um comentário