Prédio desaba após incêndio no Centro de SP; há desaparecidos

Um prédio de 24 andares pegou fogo e desabou na região do Largo do Paissandu, no Centro de São Paulo, na madrugada da última terça-feira, 1º de maio. O local era uma ocupação irregular, e moradores afirmam que o fogo começou por volta da 01:30hs, no 5º andar e se espalhou rapidamente pela estrutura.

No prédio funcionou uma repartição pública, que já estava desativada. Sem uso, atualmente abrigava uma ocupação irregular. Segundo a Defesa Civil, cerca de 50 famílias viviam no local.

O coronel Max Mena, do Corpo de Bombeiros, contou que o homem que caiu quando o prédio desabou já estava com equipamento de segurança. Ele não foi mais localizado. Chegando a dizer que havia possibilidade de que três pessoas estivessem desaparecidas, mas não foi divulgado um balanço oficial.

Durante a madrugada, os bombeiros chegaram a afirmar que o homem que caiu era considerado morto, mas pela manhã esclareceram que buscas serão feitas. "A experiência diz não é fácil encontrar alguém com vida", comentou o capitão Marcos Palumbo, porta-voz do Corpo de Bombeiros em São Paulo.

O Corpo de Bombeiros fez um mapeamento da área para iniciar a retirada dos escombros. Segundo o tenente André Elias, o segundo prédio atingido pelo fogo não corre risco de desabamento e todos os moradores já foram retirados do local.

Vizinhos ao prédio atingido inicialmente pelo fogo foram orientados a deixarem os imóveis. "Tinha chegado em casa, estava me preparando para tomar banho e a vizinha veio falando para todo mundo descer. No que a gente desceu, metade do meu prédio já estava na rua, tinha galera pulando, muito triste. A gente achou que o fogo fosse terminar assim que os bombeiros chegassem", contou Victor Hinckel, morador de um dos edifícios da região.

Há interdições no trânsito entre a Avenida Rio Branco e a Rua Antônio de Godói, na região central. Segundo os bombeiros, são mais de 160 homens trabalhando no combate às chamas e 57 viaturas estão no local. Um helicóptero também ajuda na ocorrência. Equipes do Samu, da Defesa Civil, da Companhia de Engenharia de Tráfego e da Polícia Militar trabalham no local.

 

 

Fonte: G1

Deixe um comentário