Câmara de Vereadores de Capim Grosso encerra 1º semestre com balanço positivo

Os trabalhos na Câmara de Vereadores desta segunda feira, 27, começaram com uma sessão solene de encerramento do primeiro semestre dessa atual legislatura. Em seguida, o Presidente da Casa, Bruno Vitor, iniciou a sessão ordinária.

Palavra do Presidente Bruno Vitor - Fez um balanço do que foram os seis primeiros meses de trabalho, onde foi feita uma reforma na Casa com a população tendo conhecimento do que foi feito com o dinheiro público, pois estava em péssima situação, ar sem funcionar, cadeiras rasgadas, precisou comprar equipamento, montagem de sala de imprensa. Melhor equipe de imprensa da região via Facebook. Agradeceu a todos os funcionários da Casa, que fazem os trabalhos andarem, não tem hora e nem tem dia pra ligar e não ser atendido, gratidão e todo reconhecimento ainda é pouco, “tenho a melhor equipe de funcionários que uma Câmara pode ter, da limpeza a diretoria somos todos iguais e aprendemos todos juntos”, falou. Agradeceu aos colegas vereadores da legislatura passada e também atual, pois hoje faz parte de uma Câmara competente, todos são livres e tem compromisso com o povo que paga os salários e colocou os vereadores na Casa. “Os onze vereadores tem compromisso e trabalham, fiscalizam e vão buscar”, adiantou. “Projeto como LDO visto e fiscalizado, está vindo o PDDU (Plano de Cargos e Salários), e todos quando é bem comum os colegas estão do lado”, elogiou. Projetos polêmicos como doação de terreno souberam lidar e fazer valer a voz do povo, “são a eles que devemos explicações”, adiantou. “Várias viagens para Salvador com todos os vereadores em busca do bem comum do povo”, informou. “Nós temos o CAPS funcionando, que toda semana tem médico e medicamento, e a demanda é grande, não está abandonado”, disse. “Mesmo em estado emergencial soube economizar e pagou antecipado os funcionários, e o comércio; fez reserva para analisar os festejos juninos, e com funcionários competentes, do gari ao Secretário Edezio, Fúba, Helga, Bete, e a prefeita olha os funcionários, deu aumento de 19% e não deixou a tradição acabar”, completou. “Houve pequena reforma dos quiosques e ficou bonito, e ainda agendado quatro ruas no bairro Novo Oeste para começar calçamentos, sendo um pedido da Casa. Elogiou os vereadores e pediu à população que acreditem nos edis, pais de famílias que são dignos de representar o povo e cobram em benefício da população, pois o entendimento é esse e daqui a mais três anos serão julgados.

Arivelton Mota - Disse que o povo está atento aos trabalhos da Casa e lembrou do homem do campo e povoados. “Seis meses de trabalho da Casa e infelizmente a crise econômica que o país passa dificulta também o Executivo em buscar melhorias para a cidade e o povo”, disse. Parabenizou a Prefeitura Municipal pela organização dos festejos juninos e ter dado oportunidade aos cantores da terra. Avisou que o trabalho da Casa entrará em recesso, mas que estará as ordens para a população.

 

Gilberto Alves – Comentou que a noite é de agradecimento, estando todos falando das conquistas durante esses seis meses e que continuará na luta para cobrar mais. Cobrou melhoramento na iluminação na região onde fica localizado o posto da Polícia Rodoviária Federal. Também parabenizou a prefeita, pois não está trabalhando apenas na sede, mais se estendendo os serviços para a zona rural. Colocou-se à disposição da população mesmo durante o recesso.

 

Antônio Martinho - Falou que alguns meses atrás se apresentavam como a primeira sessão e hoje finda o primeiro semestre, sendo um momento que servirá para refletir a seu posicionamento com uma auto avaliação, assim programar os próximos pleitos. Informou que esteve na Secretaria de Educação e na escola do Lajedo e Junquinho que têm dinheiro em caixa para construção de muros nas escolas e ficou acertado que se iniciará a construção. Disse que na última semana visitou alguns lugares e percebeu que a gestão está deixando a desejar em relação a abastecimento de água e ao dinheiro que a Câmara devolveu quanto o que o estado conveniou com a gestão já finalizou e o povo está necessitando, sendo uma decisão equivoca tirar os pneus do caminhão pipa para reformar e deixar o único meio de abastecimento da comunidade, podendo inverter com os pneus da caçamba. Disse que a situação se agrava, e que foi feito um investimento de poço artesiano em 120 metros e não jorraram nenhum uma gota d’água. Também falou que foi o importante os festejos juninos por ter fomentado a economia do comércio.

Nanal Vilas Boas – Comentou sobre a entrega de Moção de Pesar à família do saudoso Marcos Iure Santiago. Falou sobre o fim do semestre legislativo e que foi congratulado essa primeira etapa de 1/8 na gestão iniciada. Sendo seis meses que divide o exercício de 2017 e felizmente garante que a produção da Câmara foi positiva, com a maioria de vereadores de primeira legislatura e sobre o Poder Executivo, gostaria que a gestão fosse melhor, tendo pontos positivos. “O trabalho diário e cotidiano vai bem, tendo pecado nas iniciativas que não deveria deixar para o segundo semestre”, completou. Acredita que o trabalho da Câmara foi feito dentro das potencialidades. Disse que numa gestão o bom parceiro nem sempre é aquele que prega elogios, muitas vezes a crítica é mais amiga, pois a verdade precisa ser dita para o amigo. “Ao longo dos anos, Capim Grosso tem sido muito maior que as gestões e é preciso que se esforce para acompanhar esse crescimento, que é o maior qualitativo e quantitativo da região, basta que olhem para o lado e veja os horizontes diversos, para galgar ao nível e ao topo, é importante ser legislador e que se deve sair do espaço do clientelismo para o campo das ideias e pratica-las, porque é a legislação nos primeiros seis meses foram protocolados tantos requerimentos, de grande evolução para o município e de pouco gasto”, adiantou. “A gestão peca não diretamente por se, na chefe maior, mas em parte dos seus secretários, sendo necessário que eles olhem Capim Grosso não com olhos próprios de quem está à frente de uma determinado departamento”, orientou. “Fica aqui também meus elogios à prefeita pela sua paciência que é uma das maiores virtudes, que não pode se alongar no segundo semestre e tome para se o dote de gestão e chame os gestores para refletir o que aconteceu de erro no primeiro semestre”, cobrou. “Antes já era e com a medida do tempo cada gestor que toma posse para conduzir o processo do executivo precisa ser maior que o antecessor, a cidade não espera e as ações requer cumprimento para informações”. “Acredito que nosso papel no primeiro semestre tem sido feito, basta evoluir no próximo semestre e apontar os erros e aplaudir os acertos”, concluiu.

Nem da Pastoral – Começou agradecendo e parabenizando a Prefeita Lydia Pinheiro, pela organização dos festejos juninos que Capim Grosso nunca viu tanta gente como em Tayrone e quem tocou depois dele mostrou o seu trabalho. “A prefeita acertou em cheio”. Disse que a época do estágio passou, e agora é pra valer, pois tem vários requerimentos na Casa que não gasta dinheiro e que tem coragem de ir para rua com pessoas cobrar, se não for atendido. Pediu que os secretários trabalhem com mais amor pelo povo. Explicou que mesmo com o recesso todos os edis têm trabalhos fortes juntos com a comunidade.

 

 Jamber Dantas – Disse que muito aprendeu durante os seis meses e que veio no propósito de fazer mudanças, e apresentou projetos discutindo problemas relacionados à cidade, tendo convicção que nem só seu trabalho mas também de todos os colegas foi importante para Capim Grosso. “Nunca visto antes uma união entre todos os vereadores para transformar a cidade cada vez mais forte economicamente, entrando nos trilhos do progresso. Apresentou projetos ambientais e de fortalecimento do comércio e profissionalização do São João. Parabenizou a Prefeita Lídia Pinheiro pela brilhante festa dada ao povo. Comentou que é necessário entender que a festa precisa ser feita para o povo e as atrações foram excelentes, com praça lotada e nunca ter sido vista uma manifestação popular com a apresentação de um artista a nível nacional tão grande na cidade. “Todos saíram do São João com a sensação que essa é a maneira de administrar, para que não jogue dinheiro pelo ralo e proporcione alegria”. Também apresentou ao longo dos seis meses projetos estruturais, para fortalecer o turismo, principalmente em Pedras Altas. Disse que o trabalho está apenas começando e não vai parar mesmo durante o recesso.

Jó Queiroz – Explicou se tratar de uma sessão solene e que vai deixar as cobranças para a próxima oportunidade e que vai fazer muito mais por Capim Grosso.

 

 

Lucas Maciel – Agradeceu aos funcionários da Casa por orientarem durante esses seis meses. Pediu que o vereador Antonio Martinho vá até a Secretaria de Agricultura orientar o Secretário, pois ninguém sabe porque está sendo nomeado. “Esses seis meses de gestão quanto do Legislativo e do Executivo me enriquece de conhecimento e alegria por ser representante do povo, e o mandato do vereador e do prefeito tem que ser participativo e popular, ninguém faz nada sozinho”, comentou. “A gente vai continuar trabalhando mesmo durante as férias, fiscalizando o executivo”, adiantou. “O executivo ainda não começou a trabalhar, uma coisa essencial é cuidar do funcionários públicos e as duas últimas gestões não cuidaram como merece”, declarou. “O ex-prefeito Sivaldo passou cinco anos sem dar reajuste e perseguindo, com a Drª Lydia não deu para entender essa melhora, pois não deu nada além do reajuste do início do ano”, afirmou. Falou ainda que agentes de saúde, motoristas de ambulâncias e garis estão reclamando. Pediu que a prefeitura cuide de uma forma que os funcionários possam trabalhar alegres, “se a prefeitura comprar um carro com cinco anos está deteriorado, se faz um prédio 10 anos precisa de reforma e funcionário é diferente”, alertou. Lembrou da aprovação da lei para pagar dez reais para um fiscal de obras fazer uma vistoria, que foi aprovada mas não foi colocada em prática.

Samoel Moto Ttaxi – Parabenizou aos edis Lucas e Jó, que vieram com garra para representar pois no mandato passado estava sozinho. Reforçou o pedido de mais atenção ao CAPS, onde o coordenador Fernando precisa de apoio urgente, “pois só sabe as dificuldades quem tem pessoas com problemas mentais em casa”, completou. “Fernando é uma pessoa humana que se preocupa com as famílias”, disse. Falou ainda que os contornos da cidade estão abandonados com mato e ferro velhos jogados, precisando de maior atenção. Disse também que cada época de eleição se fazem um pouquinho nos contornos e é preciso acelerar o processo, pois o grupo da atual gestão disse que pegou a Casa arrumada. “Não temos turismo nem rio, nem praia, então precisamos fortalecer o São João”, adiantou. “Eu sou defensor do forró nordestino e em nome de Kelvin e 100 Parea parabenizo, que segurou o verdadeiro forró”. “Não precisa de tantos recessos, vou mandar para meu Deputado um pedido que não mecham no nosso, pois não precisa de tanto recesso”, concluiu.

 

ASCOM Câmara Municipal de Vereadores