Vereadores realizam sessão ordinária após recesso obrigatório pela Constituição Federal

Na última segunda-feira, 19, a Câmara de Vereadores de Capim Grosso, realizou a primeira sessão do ano, após recesso obrigatório pela Constituição Federal. Na oportunidade estiveram presentes todos os edis, que enfatizaram a importância da participação da população e os projetos aprovados pela Casa. A mesa formada diretora contou com a presença da Secretária de Assistência Social, Hosana Ferreira, do Tenente Nogueira e o Aspirante Silva Brito, que representaram o Capitão Medeiros, Comandante da 91ª Cia Independente.

 

 

O Presidente da Casa, Bruno Vitor encerrou as falas dos vereadores e disse que projetos importantes como municipalização do transito, Praça do Bairro Água Nova, com devolução da Câmara de Vereadores, que também em menos de dois meses de mandato devolveu 20 mil reais para colocação de água na zona rural em momento crítico, logo após houve a necessidade de uma reforma na Casa, gastando 32 mil reais, om um tempo veio o problema com a marquise gastando 3 mil reais e agora a compra de um carro, através de pregão, custando 83 mil reais. “Nesta Casa poucos tiveram a sorte de ter colegas filhos dessa terra comprometidos com o povo como eu tenho, devolvemos com isso tudo mais de 212 mil reais, tendo a coragem de devolver o 13º salário e terço de férias, então muito me orgulha de representar todos esses colegas, filhos da terra e de pessoas carentes, como Lucas onde o pai trabalhou muito pela saúde, a família de Jó de Samoel e Nego, Gilberto e todos têm um histórico nessa cidade, e nos orgulha em abrir a boca e falar dessa Câmara, onde em programas de rádio existem as críticas, pois precisam existir, mas não se fala que os vereadores não trabalham. Comentou sobre os representantes da Polícia Militar na sessão o Tenente Nogueira e o Aspirante Silva, e disse que já teve motivos de alegrais e tristezas com a PM, quando foi a perda do Tenente Breno e Marco José, “sofremos juntos, naquele tempo apenas Marco José para combater mesmo, e foi a felicidade com as passagens de comando nessa Casa e leve essas palavras ao Comandante, essa Casa está à disposição da Polícia Militar e a população abraça, fazemos nossas críticas porque somos representantes e cobramos pelo povo, vereador é parceiro, se tem câmeras de monitoramento foi dessa Casa que saiu”, disse. Existe a Lei e rigores da Lei, não existe delação premiada para pobre, existe para rico e somos representantes o povo”, concluiu.

 

O Vice Presidente da Casa, Arivelton Mota comentou que durante o recesso obrigatório o trabalho não parou, e em momento nenhum se distanciaram do município, “falo por mim e pelos colegas, que nos encontramos no dia a dia, nas visitas dos bairros e nas secretarias reivindicando melhorias, visitando as escolas onde as aulas já se iniciaram”, adiantou. “No domingo passado estive com a Professora Andreia e ela nos cobrou uma melhoria e me comprometi, já estive com o secretario e ele nos passou que vai reformas todos os prédios”, informou. Cobrou dos secretários principalmente de Obras e Urbanismo, sobre patrolamento das ruas, pois se sabe da chuva há 08 dias atrás e no Bairro Planaltino foi cobrado por moradores. Explicou que foi bem atendido nos gabinetes da prefeita e do secretário que já está providenciando arrumar algumas ruas. “Não iremos parar de cobrar, calçamento no Bairro José Mendes, disposto junto com a gestão e buscar esse projeto o mais rápido possível para atender a população”, completou. Disse que sobre o asfalto de Caiçara tem uma luz muito forte, que esse asfaltos irá ser iniciado. O Vereador que sempre vai aos sábados e domingos visitar a zonara rural, cobra iluminação e segurança, pois a zona rural está sendo muito atacada por maus elementos. “Sabemos que o efetivo é pequeno tanto da Guarda Municipal quanto da polícia, que vai organizar para dar mais qualidade a zona rural”, comentou. Pediu que a população se dirija até a Secretaria de Urbanismo para informar o endereço para troca de lâmpadas queimadas.

 

O Vereador Lucas Maciel disse que estão começando as sessões, mas os trabalhos estiveram continuados, pois em Capim Grosso o Vereador não para. Disse que o trabalho não vai ser diferente do ano passado, muitas denúncias, críticas e sugestões e elogios à gestão, tudo isso acontece numa Casa Legislativa”. “Essa Casa se fizer o que fez a no passado, sai de alma limpa, pois devolveu dinheiro para combate à seca, comprou carro novo para servir a população, devolveu dinheiro para construção e uma Praça no Bairro Água Nova, diferente da prefeitura que não corresponde aos anseios da população e esse não começou diferente”, relatou. “Capim Grosso hoje é a terra do imposto, INSS aumentou de 2,5 para 5, e a gente ver a população se mobilizando tapando buraco, funcionário público na rua fazendo paralisação”, lembrou. O parlamentar disse que funcionário público fica 10 anos trabalhando na prefeitura ajudando na gestão e a prefeita vem maltratando, antigas gestões passaram e não chegaram dá um aumento, e o salário do funcionário continua a mesma coisa, podendo se aposentar com salário congelado ou pela metade, deu aumento de 19% ano passado, que pudesse da novamente e no final do mandato o salário pode estar equiparado. Informou que empresários de cidades vizinhas falaram do absurdo que acontece nas licitações, sempre ganham as mesmas empresas, tem empresa que presta serviço há seis anos, e um empresário falou que na participação que uma empresa colocou preço menor do que o que ele compra na fábrica, a prefeita tem que abrir os olhos, se não está vendo tem que chamar a rédea do cabresto para junto, o pregoeiro que faz as licitações já foi denunciado em Santo Amaro, é muito interessante que a prefeitura coloque Capim Grosso para andar e desenvolver, a gente quer elogiar e dá sugestões, nem sempre está denunciando”.

 

O legislador Jó Queiroz iniciou o discurso afirmando que tem secretário que não faz nada na atual gestão. Comentou que na praça do Bairro Planaltino tem o equipamento todo e não tem um funcionário para tomar conta. “Seu Edélzo está fazendo o que mesmo na secretaria?”, interrogou. “Não tenho nada contra”, completou. “Na próxima sessão vou denunciar o nome, porque infelizmente tem gente que deixa a desejar”, disse. Relatou ainda sobre as promessas do Secretário de educação sobre as reformas e ninguém ver nenhuma. “Fiz requerimento para a reforma do CAPS, espero que a Secretária de Saúde tome as providencias pois estamos precisando”, adiantou. “Espero que o Secretário de Urbanismo tire o pé do bolso pois infelizmente os calçamentos da praça estão um absurdo, próximo a João Baixinho em pouco tempo não vamos poder passar e este secretário não faz nada”, finalizou.

 

O edil Gilberto Alves no uso de suas atribuições, cobrou a iluminação do ponto de ônibus da comunidade de Melancias. Comentou sobre a importância dos calçamentos que estão em andamento. Informou que está sendo finalizada a obra da creche do povoado do Peixe, faltando apenas pintura e instalação e em breve já poderá transferir os alunos.

 

 

 

O Vereador Jeferson Ferreira falou sobre a criação do Departamento de Cultura que tramita na Casa, e a importância, dando parecer favorável e a disponibilidade para discutir. Criticou o Consórcio da Bacia do Jacuípe em relação a manutenção dos anéis dos contornos que liga o de Feira de Santana ao de São José e o de São José ao de Jacobina, “gostaria de pedir a gestão que estreite a relação com o Consórcio sendo um município atuante, com peso, e não vejo essa reciprocidade com Capim Grosso”, cobrou. Informou a comunidade de Lagedo sobre o sistema de abastecimento de água, às pessoas podem se dirigirem a empresa de abastecimento para pedirem as ligações e que possam levar água para melhorar a qualidade de vida e desenvolvimento da cidade e do Estado. Falou ainda sobre os colaboradores públicos e a força intelectual que precisa ser motivada de inúmeras formas, inclusive financeira, a atual gestão reajustou em quase 20% os salário dos servidores e a gestora e vai chamar a classe para o diálogo. Parabenizou os serviços executados pelo Departamento de Iluminação pública, com os eletricistas trabalhando as 08 horas diárias, porém a demanda é muito alta. Disse saber da sensibilidade em relação a substituição, com os oito técnicos trabalhando e a necessidade de solucionar o mais breve possível, pois a população não pode ficar no escuro. Sobre a atuação da Câmara em 2017, após indicações e requerimentos, atuaram com transparência devolvendo o equivalente a 200 carradas de caminhões pipas, sendo devolvido também uma quantia para subsidiar a pavimentação e canteiros centrais em Água Nova com contra partida da prefeitura, parabenizou a Secretaria de finanças que começou pavimentação com recursos próprios.

 

Na volta do legislativo Nem da Pastoral disse que as sessões são prestações de contas dos vereadores e tem um trabalho de muita responsabilidade da imprensa que leva para todos os moradores do município. Falou que que é contra o recesso, mas, não pode ser retirado, porém passou os dois meses trabalhando. Esteve conversando com a Prefeita da cidade de Santa Luz sobre à crise, que ninguém quer votar em Presidente e Deputado, se salvando apenas vereadores de cidades pequenas que as pessoas sabem onde é a casa de todos eles, “antes de chegar na casa da prefeita vai em minha casa para resolver o problema”, completou. “Cidade grande é diferente, ninguém conhece ninguém, eu sei a função do vereador, é fiscalizar, mas precisa ter o boca a boca, é um suporte da população e não para, o recesso é só no papel”, comentou. “Muitas coisas recaem sobre os vereadores e é preciso fazer o projeto para favorecer as famílias que mais precisam”, concluiu.

 

O Vereador Nanal Vilas Boas disse ter ouvido as explanações dos colegas e de fato condizem com a realidade, mas é preciso conscientizar-se de serem mais ousados que em 2017, e cada vez mais precisa ser independente do ponto que o município depende de uma gestão e se não melhorar ainda mais as cobranças, talvez o Executivo não se assuste e não tome a responsabilidade de dever público, “quantos requerimentos e ideias foram impetradas para onde custos financeiros não haviam , apenas atitude da gestão e comprometimento com a Leis municipais”, comentou. “Se fomos bons em 2017 devemos ser melhores ainda em 2018, mas a gestão pública precisa melhorar muito, pois 2017 não foi louvável em suas ações e exercício como um todo”, disse. Falou ainda que começaram o ano de 2018 com controvérsias nas secretárias, anúncios dos entulhos para que a população tomasse para si a responsabilidade, “de fato constitucionalmente os construtores têm a responsabilidade, mas para isso o munícipio condicione a situação, pois não temos nenhuma empresa e nem deposito, porque anunciar e deixar a população perplexa justamente que prima pelas coisas corretas, e quando vai a secretaria e o secretário diz que não há nada disso, que o anuncio não condiz com a realidade, a empresa de comunicação cumpre ordem, o que não pode acontecer é o secretário de finanças mandar na secretaria de urbanismo sem a sua devida ordem, o secretário de urbanismo tem que chamar para si a responsabilidade de dizer que quem tem que atribuir as funções da secretaria é ele”, explicou. “Ano passado no final do Refis pedi que a gestão prorrogasse porque a população não tinha conhecimento do final, anunciou o início e não teve a preocupação de falar que o final era de fato em dezembro”, disse. “E agora não pode anunciar de forma alguma a retirada de entulho porque o município não se preparou e fica fazendo a população de palhaço com respeito a profissionalismo do palhaço. Antes não se fazia o serviço na devida ordem e acompanhamento porque não tinha recurso especifico a Cipe foi votada no final de 2012 e em 2013 esteva em pleno vigor, para o trabalho de iluminação pública”, relatou. “Se a secretaria não vem acompanhando é preciso se mudar o modelo de apoiar o acompanhamento”, indicou. “Fundo Municipal de Cultura a área que eu milito e fiz uma reunião com agentes da cultura e futuro diretor do departamento e olhar técnico e sensibilidade de quem faz a cultura funcionar no município, para que as propostas dos artistas cheguem, se trabalha no proposto de entrar o dinheiro mas pouco se trabalha nos benéficos da área”. O vereador concluiu dizendo que é preciso que se faça bem feito, para que a cidade seja melhor representada culturalmente se falando.

 

O legislador Antônio Martinho disse que na última quarta- feira (14) iniciou-se a quaresma e como uma das missões da Igreja Católica nesse período se define temas para discutir com a sociedade, e esse momento é de Fraternidade e Superação da Violência, onde é se juntar para discutir o problema, “que está tão próximo das famílias e de nós”, completou. Informou que fez diversas visitas e falou sobre uma evolução que desde 1987 o Lagedo tem uma escola e só agora tem o muro de proteção, concluído em 2017. “As crianças agora terão proteção naquele espaço e outra evolução em qualidade é que algumas necessidades da comunidade de Junquinho que passou por uma reconstrução nas salas e aproveitou a oportunidade para convidar os pares da Casa para visitá-la. “É preciso melhorar porquê na gestão pública o que se tem que fazer bem feito é o público e detectado o problema vai está cobrando da gestão o melhoramento desses espaços”, adiantou. Comentou sobre a chegada das chuvas e que a aguada pública da samambaia esta seca, parece inverdade, um volume em Capim Grosso que passa de 100 mm e na Fazendas Nova e Tigre os tanques secos, e a prefeita vai destinar uma máquina para aquela região, “volta e meia tem previsão de chuva e um tanque limpo tem capacidade de contribuir na qualidade de vida das famílias”, completou. Pediu ao Secretário de Agricultura Ricardo Souza para rever o que pode ser feito, nós temos muitas estradas que a situação está danificada, e precisa ter uma estrada de qualidade para que as pessoas que transportam o alunado e o que ganham não seja apenas para a manutenção do carro. Informou que no Distrito de Novo Paraiso está beneficiando uma associação da Bahia Produtiva e vai assumir o laticínio que tem programação do Governo do Estado para inaugurar até 06 de junho, sendo um grande desafio para a associação de leite do Paraiso, para assumir o projeto e em nome da Câmara de Capim Grosso manifestou apoio.

 

Jamber Dantas disse que espera uma ação mais enérgica da PM no Bairro Estação da Luz e não tem dúvida que a polícia está tendo e que vai atender os anseios da comunidade. Elogiou o trabalho da Secretaria de Assistência Social Hosana Ferreira. Informou que há duas semanas esteve no gabinete do Senador Otto Alencar, onde levou a preocupação dos trabalhos realizados pelos trabalhadores de lava carros em Pedras Altas e que algo possa ser feito, uma que o Inema notificou contra aqueles lavadores, e sendo importante aquela atividade, gera economia e movimenta o trabalho honesto que os lavadores fazem e essas notificações nos preocuparam uma vez que a água utilizada contaminada chegam ao leito do Rio Itapicuru, sendo sugerido um projeto que contemple o que já existe e que pudesse esse estender ainda mais. E o senador pediu que a prefeita pudesse apresentar o projeto que terá o apoio do senador, e assim acredita que faça mais rápido possível e que a prefeita possa estar recebendo o comunicado, para que os recursos possam ser liberados. Parabenizou a gestão municipal pela obra feita nas lagoas do entorno da cidade, mas precisamente o canas aberto pela prefeitura para que as águas pudessem escoar junto com as lagoas, recebendo chuvas em grande volume, ficou comprovado a eficiência e a importância desse excelente trabalho feito, basta visitar as casas em torno dessa lagoa, que amanhecem completamente cheias e as águas escoaram não alagando as casas e não mantendo a umidade, não prejudicando os moradores, lembrando que preocupações existiram que as águas pudessem chegar de maneira contaminadas que de fato os esgotos são despachados na lagoa, podendo chegar no Rio do Peixe mas esses integrantes das associação disseram que as águas passaram por uma provação e nada foi encontrado, que pudesse contaminar aquela água. “Aqueles que de maneira contraria se posicionaram possa ver dessa forma que os ganhadores foram os moradores das casas próximas a lagoa”, finalizou.

 

O edil Samoel Moto Taxi disse que o vereador Nanal foi coerente na fala, e o município quer aplicar leis e não está preparado para colher, quer que o morador recolha o entulho mas não tem deposito onde jogar, “vai retornar para dentro de casa”. Uma Lei que existe desde 1986 ex prefeitos nenhum aplicaram porque entenderam que o município não estava preparado. “O nome disso é bagunça total, quem fala isso não é vereador de oposição, quem fala são os quatro cantos da cidade, é a zona rural, os contornos, ou a gestão que espera que todos peguem um rumo, a prefeita é Lydia Fontoura Pinheiro, mas do jeito que tá ai, um tira, outro coloca, outro da ordem, aqui acontece dessas coisa”, reclamou. “Existe um programa do Governo Federal que dá de presente para todas as cidade do Brasil, dá o dinheiro e manda mensalmente o valor para manter em dia, chega numa praça três equipamentos quebrados desde o início da gestão do ex prefeito Sivaldo, entrei em contato com o órgão competente, é um absurdo em nosso município, e essa Casa que foi eleita para legislar, fiscalizar e apoiar quando tiver certo e muitas vezes baixa a cabeça, não por lado de oposição, que se eu quisesse eu estava do lado de lá, mas tem coisa que chega ser ridículo, a cidade de 32 anos, acompanho política e se encontra na zona rural e os alunos expondo que a educação não vai bem, um cirurgião ortopedista que se quebrar um dedo não tem, é marketing demais, se fizesse pelo menos 3% do que anunciou, eu seria demagogo dizer que não tem obra, mas é pouco para o município, as pessoas pagam taxa de iluminação, querem colocar entulho para o povo, esse valor de 50 mil de iluminação que entra, não gasta de compra de material e quando não tinha, não mantinha a cidade da mesma forma?”, indagou. “Essas contas não batem na cabeça de ninguém, até uma criança sabe fazer uma conta dessa”. “Se cada um dos vereadores fizer seu papel vai colocar as cosias no eixo e se passa 100% por assistencialismo nenhuma secretária vai funcionar, às vezes levo pessoas para resolver problema de saúde, é por deficiência do município, gasta muito mais com ambulância, diária de motorista e combustível do que trazer um profissional, se a secretaria marca um exame em Salvador e não me dá o carro para ir, se marcou tem que levar e chega todo dia reclamações, então quero chamar a atenção do Secretário de Transporte, precisamos ficar atento, porque quem sofre é o povo, e espero que em 2018 a gestora assume seu papel, sente na cadeira e dê as ordens, o município está sem rumo, apresentaram um projeto em que o homem do campo também pode ser taxada para limpeza de aguadas, fica aqui o meu repudio a essas ações desagradáveis, fica os elogios as ações aplausíveis, fazer o certo eu apoio, fazer o errado denuncio”, continuou. “Já tem uma denúncia protocolada e se ela não abrir o olho é sempre ela que vai responder não é secretário”, concluiu.

O Tenente Nogueira, representando o Capitão Medeiros, Comandante da 91ª Companhia Independente de Capim Grosso, fez comparações entre o trabalho da polícia e dos vereadores em suas semelhanças e a procura pelos mesmo através da população. Disse ainda que a polícia está sempre procurando melhorias para a comunidade e são trabalhos difíceis e muitas vezes o último recurso para proteger os indefesos.

 

 

ASCOM: Câmara Municipal de Capim Grosso

Deixe um comentário