Novo perímetro urbano e permuta para construção de escola finalizam semestre legislativo

Na última sexta-feira, 29, aconteceu o encerramento dos trabalhos do primeiro semestre da Câmara Legislativa, tendo iniciado com a sessão solene, apresentação dos projetos e em seguida a fala dos edis. Foram tramitados os projetos de leis Nº 194/2018 que acrescenta dispositivos à Lei 286/2014, que define o perímetro urbanos do município, para acrescentar o perímetro urbano do Distrito de Pedras Altas e povoados de Peixe e Caiçara e Nº 193/2018 sobre a permuta de bem particular por bem público, onde será utilizado para realizar construção de colégio municipal no Bairro Planaltino.

O Secretário de Educação, Ed Carlos Oliveira Neto fez uso da tribuna para explanar sobre o dois projetos de leis. “Precisamos ampliar a oferta para atender todos os alunos do nosso município, principalmente no Bairro Planaltino, devido ao número de alunos”, explicou. “Precisamos aproveitar o momento que o MEC está disponibilizando para o município. Construindo novos colégios, será melhor para administrar e também para os professores ensinarem de forma cada vez mais adequada para nossos alunos”, completou. Para o Povoado do Peixe, Caiçara e Pedras Altas também precisam ser transformados em perímetro urbano, para que assim possam chegar mais oportunidades desde colégios, creches e quadras. Mesmo morando em zona urbana e trabalha na zona rural é considerado trabalhador rural, argumentando que quanto a isso a comunidade pode ficar despreocupada.

O Vereador Antonio Martinho, disse que os projetos que já estão na Casa são importantes e necessitam de atenção, para que na aprovação tenham consciência para defender os questionamentos tanto da gestão como da sociedade, sendo um avanço para as três localidades, visível que haverá impacto com moradores, porque tem toda uma convivência rural e irá ter um avanço que possibilitará o município a fazer a cobrança do IPTU, por tornar um perímetro urbano legalmente exercido pelo município, sendo interessante o conhecimento para defender. Compreendendo a necessidade da votação do projeto 192 e 193 na secretaria de finanças, que dizia que urgente é o que não fez com antecedência, e hoje não poderia votar nos dois projetos porque precisa conhecer as área e conversar com pessoas que estão ligadas diretamente com o setor de compra e venda para fazer uma comparação. Sobre a suplementação disse que já foi dado 25%, onde houve aniversário da cidade e São João, onde deu para superar, então não ver necessidade de ultrapassar os 25% em um pedido de 30%. Agradeceu ao Secretário Edelzo, sobre o Bairro Planaltino e muitas ruas ainda se encontram com dificuldade para trafegar, porém, a patrol está nas trabalhando para melhorar e que o povo vá e volte para seus lares, mais tranquilos. Fez ressalvas em relação a fala de vereadores, “é aqui e nas bases que a gente vai se expressar, é um exercício de mandato e isso não quer dizer que são projeções ou palanques antecipados”, comentou. “A palavra que todos nós utilizamos bastante chamado de democracia, que é o regime politico em que a soberania é exercida pelo povo, enquanto as leis elas são exercidas de forma como estão prescritas”, completou.

O edil Jó Queiros falou sobre o projeto que tramita, sendo importante para Pedras Altas e Peixe, que serão contemplados com quadra e escola, e quem ganha a população. “Tem colega que quer usar rádio e tribuna para aparecer, a cara pulsa pega em quem quiser”, findou.

 

 

O vice Presidente da Câmara de vereadores, Arivelton Mota, comentou que os projetos são de grande importância e serão analisados de forma correta, sabendo da utilidade que cada projeto tem para o avanço de Capim Grosso. Os seis meses foi de mais experiência e o recesso será apenas dos trabalhos da Casa, ficando sempre presente e a disposição de todos para colaborar com o município.

 

 Jefferson Ferreira disse que o projeto é para discutir a melhoria para a população, revisando as zonas urbanas e trazem perímetros de Caiçara, Pedras Altas e Peixe, e que o avanço já chegou nesses locais, e as características que eram de zona rural já tem mudado e o cidadão já tem sofrido com essas características de mudança, sendo necessário fazer a regularização para que venha ser construída uma escola de doze salas em Pedras Altas e uma de seis salas com quadra no povoado do Peixe, “é necessário ter sala de aula com estrutura”. “Me proponho a discutimos os 15 minutos para discutir e visitar o local, a permuta do terreno já consta nas avaliações, e o Bairro Planaltino já necessita de uma escola de maior porte”, afirmou. O trabalho do vereador não para no recesso.

O parlamentar municipal, Jamber Dantas, disse que os projetos que direcionam para a educação do município são importantes, e pediu aos pares da Casa que votam sim, pois tudo que é feito pela educação ainda é pouco, “a pilastra mais importante de qualquer construção é a educação, e que vejam com muito cuidado para que o homem do campo não seja prejudicado”. “Findamos o primeiro semestre de 2018, marcado por um excelente trabalho da gestão de Capim Grosso, pelos investimentos principalmente com recursos próprios, pavimentação, praças, salas nas escolas, enfim, vários outros investimentos foram ofertados e com alegria parabenizo a prefeita Lydia Pinheiro, pois foi um compromisso firmado e que vem correspondendo às expectativas, e a partir do próximo semestre, outras investimentos serão aplicados”, adiantou. Disse ainda que os festejos juninos foram belíssimos e que investimentos na praça 9 de Maio precisam ser feitos, “ampliar a área e planejar melhor o próximo para que não só as pessoas que fazem o comércio, mas aqueles que participam possam festejar com tranquilidade”, indicou. Sobre a eleição da Câmara ouviu no programa da Tansamérica FM que o vereador Nanal Vilas Boas fez uma comparação do golpe a ex presidente Dilma quando teve seu impeachment por um ato de pedala fiscal e a Câmara entendeu, e fez a comparação em relação com a eleição da Câmara, me encontro decepcionado mais uma vez com a sua fala, a partir do momento que o entendimento da maioria da Casa percebeu o excelente trabalho desenvolvido pelo Presidente, é completamente diferente, elegemos o Presidente Bruno de forma democrática e legal, diferente da ilegalidade que tirou a Presidente Dilma do seu mandato da presidência da república. “Que possamos retornar a esta Casa com projetos que possam ajudar a gestão do município a melhorar a vida do povo de Capim Grosso, até mesmo porque ganhamos ferramentas importantes que foram a chegada dos vereadores Jó Queiros e Lucas Maciel”, concluiu.

 O Vereador Samoel Moto Taxi, reclamou que sempre acontece na Casa, todas as vezes chega um projeto em caráter de urgência , faltando alguma coisa, e depois é que vem a avaliação, “e é desde o meu primeiro mandato e quando a gente não vota diz que é porque é oposição, e porque não já manda pronto, pois nem se fez uma avaliação do terreno, além da avalição escrita, é preciso saber os valores, é função do vereador, por mais que acho ser importante para o município, acredito que deve ter uma sessão extraordinária na próxima terça-feira, é preciso um tempo”, explicou. Reclamou também que se no contorno de Sr do Bonfim se tornou isca para acidentes, cavou um poço, cresceu o capim e no mínimo cinco jumentos e três cavalos, colocando em risco a vida dos motoristas e até hoje só diz que tem projeto e até hoje tá lá, então é melhor plantar feijão e milho para as pessoas aproveitarem”, disse. “O Bairro Planaltino, uma praça tomada pelo matagal e pessoas pagam até 170 reais de IPTU em algumas localidades e esses assuntos às vezes passam esquecidos”, relatou. “Um recesso dessa magnitude, voltando em agosto, se pudesse votar e diminuir eu seria o primeiro a aprovar, inaceitável um recesso de quase dois meses e em dezembro já tem outro, se o Executivo está trabalhando o legislativo tem que está trabalhando, e se o festejo é em junho, fica contraditório”, finalizou.

 O Vereador Nanal Vilas Boas, comentou sobre os projetos tramitados, explicando que sobre ITR e IPTU onde se paga o primeiro não se paga o segundo, que é cobrado por características urbanas, pode se morar fora do perímetro urbano com características urbanas, e dentro do perímetro urbano e com características rurais, não compete ao município efetuar a devida cobrança, é preciso antes de tudo analisar a lei, compete analise do município sobre o projeto da secretaria de educação. “O terreno em permutas eu comungo com vereador Samoel sobre a precipitação”, disse. “A morada do sol existe terrenos grandes do poder público, anteriormente entrei na Casa pedindo que fossem cercado os terrenos públicos, pois com o tempo se esquecem e os donos de loteamento vendem porque percebem que o poder público esqueceu, porque não fazer permuta com o terreno mais localizado, e não tiveram cuidado de analisar os terrenos que dispõe inclusive no Bairro São Luiz”, rebateu. “Na noite de ontem fui alvo de bombardeios, faz parte da política e do processo democrático e eu me lembro que quem lutou pela independência foi sempre bombardeado”. “Faz parte da política, mais do que nunca defendi a independência dessa Casa, uma Câmara independente é fortalecida. “Questionei foi a falta de tempo hábil, a questão do regimento interno, tem que trabalhar em consonância com a Lei Orgânica, se a Câmara tem seis meses para convocar eleição, foi apresentada dia 18, dia 28 aconteceu”, comentou. “Não concordo que o Poder Executivo tenha feito muito nesses seis meses, estradas esburacadas, plano de cargo não foi cumprido e amanhã fechamos os primeiro semestre e vai ser publicado, ai que vamos ter uma receita corrente e a previsão é mais de trinta milhões, para ver três ou quatro ruas, duas ou três pracinhas”, finalizou.

 

Fonte: ASCOM CMV

Deixe um comentário