Sessão da Câmara: Vereadores garantem apoio à servidores públicos

A sessão da Câmara de Vereadores da última segunda-feira, 17, contou com a presença de servidores públicos municipais, que buscam apoio dos legisladores.

O Presidente da Casa, Bruno Vitor, parabenizou a categoria e disse ser a favor de toda manifestação pacifica a exemplo da exposição de faixas na Casa. O edil disse que sempre levou o nome de Bruno da Dengue e vai estar sempre à disposição da categoria, e colegas que iniciaram juntos com ele poderiam interferi-lo caso estivesse errado. Informou que antes não tinham água e até o lápis levavam de casa, “luta minha e dos colegas de trabalho, conseguimos um Ponto de Apoio (P.A), um carro, pois saiam para Água Nova a pé, conquistamos duas motos, uniformes, material de trabalho e concurso, pois até então a cada três meses venciam os contratos”, indicou. “Hoje existem algumas demandas, porém, nada nessa Casa vai à frente com um só vereador, temos apoio de todos, nós estamos brigando, à luta é nossa”, completou. “O poder do vereador é limitado”, colocou. Lembrou ainda que o projeto da Guarda Municipal espera a aprovação da classe. “A Saúde de Capim Grosso é uma das melhores da região, sempre estou em reunião com outros vereadores e sei das necessidades deles”, relatou. Sobre a SAMU afirmou que passaram a possuir uniformes após luta sua em busca de uma empresa que fornecesse, “vereadores têm que entender porque não foi resolvido, não é só usar a tribuna e dizer que ACs estão sem receber, todos os vereadores estão na luta”, concluiu.

 

O Vereador Jó Queiros, informou que esteve fiscalizando os postos de saúde e tentando resolver as demandas, onde realmente faltam alguns medicamentos, tendo sido informado que a partir de terça feira, 18, os problemas serão solucionados. “É necessário, pois as pessoas estão precisando”, disse. O Vereador também cobrou a retomada do atendimento odontológico no Bairro Novo Oeste, onde a cadeira se encontra com problemas no compressor e também relatou que a cadeira do dentista do Bairro Planaltino apresentou defeito. “Não é porque estamos na situação que não vamos cobrar, cobro sim”, afirmou. Comentou que a Secretaria de Obras e Urbanismos deixou a desejar, já sendo liberada pela prefeita a fazer o quebra-molas próximo a creche municipal e o secretário não resolve nada, “nosso papel é cobrar”, continuou. Também comentou ser sempre a favor do funcionário público e sempre vai estar”, finalizou.

 

O Vereador Nem da Pastoral, lembrou que no período de eleição é necessário cuidado, pois pessoas que nunca fizeram nada pelo município aparecem batendo na porta do cidadão, “é preciso que votem consciente, será bom para você e bom para o Brasil”, disse. Relatou se tratar de uma eleição diferente, sem carros de sons e muitas coisas foram tiradas. “Tenho acompanhado a luta dos funcionários públicos, mas o poder não está na Câmara, está na gestão, todos os vereadores estão a favor dos funcionários o que vier com consentimento dos servidores a gente aprova, a exemplo da Guarda Municipal”, finalizou.

 

O Legislador Jefferson Ferreira utilizou à tribuna, e informou que esteve visitando as obras do Campo do Gado e as Casas Populares com etapa que será entregue ainda esta semana, uma luta inclusiva da Casa onde aconteceram várias visitas a SEDUR em Salvador. Comentou que mantém canal aberto com os ACS e entende que a luta é justa, motivação se dar por vários motivos, entre eles capacitação, desempenho e financeira. “Amarli trouxe evidências que eram pagos 20% anteriormente e a lei foi revogada quando os ACS optaram pelo piso nacional, porém, é possível se fazer a lei para voltarem a receber os 20%, sendo preciso amadurecer e discutir junto à categoria, como tem sido. “Insalubridade faz-se necessário, através do PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), a legislação é clara, é obrigação de empresas públicas e privadas”, disse. O edil falou ainda que os ACS merecem atenção especial do município, “nos posicionamos com entendimento de todos os vereadores, são pautas importantes e precisa estreitar a relação, o reajuste salarial se deu de duas formas e os ACS reivindicam um desses reajustes, uma parcela e trazem a informação que têm esse direito”, completou. Relatou que a prefeita está disposta a negociação, ratificando que a luta é justa e ninguém irá ficar com salário defasado.

 

O Vereador Nanal Vilas Boas, disse que é preciso compreender a democracia no sentido amplo da palavra de direito. Comentou que o maior patrimônio do município são os funcionários públicos, pois sem eles nada adianta prédios e bens. Sendo importante frisar a eleição no sentido próprio da visão, não na visão de cada um se eleger, a gestão é para todos e não para indivíduos de grupos. Chamou a tenção das autoridades públicas, pois conversou com barraqueiros durante a feira-livre, que trabalham em frente ao supermercado Doce Mel, e vizinhos reclamam do abuso sonoro. Pediu fiscalização e que a presença da PM se for o caso para obedecerem aos critérios do município. Também chamou a atenção da Secretaria de Administração Geral em relação aos paredões de sons no povoado do Peixe. Pediu ao Vereador Gilberto do Peixe que lute para que a quadra esportiva do local não seja inaugurada da forma que está, “o alembrado é muito baixo e vai trazer danos a vizinhança, o piso é mais baixo que o nível da praça e qualquer chuva vai alagar, um projeto de 210 mil reais”, explicou. Lembrou ainda da escuridão que assola o trecho entre Capim Grosso e Peixe, reclamando que o material de iluminação chegou na prefeitura em pouca quantidade e a demanda cada vez mais cresce. Também chamou a atenção da Secretaria de Urbanismo, mas o “jogador em posição errada talvez não vai fluir em prol do time”, os recursos que ele alega não ter. Reclamou que o Bairro São Luiz tem buracos gigantescos, “esgotamentos sanitários parece encontro de rios em travessas”, adiantou. Também falou sobre o projeto da Guarda Municipal, para não haver risco, onde há demanda é enorme, já que acontece um consenso e na empatia do serviço público faz necessário para que a gestão aprecie. “Acredito que agora esteja encaminhado e não haja colisão de visões, a emenda que pode vir do próprio Executivo para a Câmara aprovar, um projeto mesmo que bem debatido possa durar mais uma semana, melhor que causar inconformismo”. Falou ainda sobre a 39ª Missão da Terra que aconteceu em Capim Grosso, sobre a importância cultural e acima de tudo democrático.

 

O Vereador Antonio Martinho reclamou do rápido termino do material de iluminação recém comprado. “No dia seguinte esse material acabou”, comentou. “Na minha simplicidade a gente se sente insignificante, pessoas simples que apelam para a gestão e secretarias a fim de terem o mínimo de iluminação”, relatou. Disse que tem secretario que trabalha para a prefeita Lydia sem nenhum interesse que ela faça um bom mandato, “tenho pena de uma pessoa tão bem-intencionada”, completou. Parabenizou aos ACS pelo manifesto, pedindo uma atenção maior. Comentou que na última semana saiu a nota do PMAC e muito mais importante que as máquinas e prédios são os funcionários públicos e a razão da nota ser boa é graças a esses homens e mulheres e para serem sensíveis bastam acatarem os direitos”, disse.  Parabenizou a Diocese em nome da Paróquia de Capim Grosso pela 39ª Missão da Terra, “Através da fé se percebe as más gestões e interferências na natureza, a nossa lagoa já foi sepultada parte da nossa história, atendendo o interesse apenas do capital”, disse. Acrescentou que o interesse não é das famílias que vivem margeando à lagoa, mas, uma já foi soterrada com o consentimento da gestão, mas o poder quando quer resolve, encarou o Enema e o MP, então se quiser resolver o problema dos ACS é só resolver”, disse. Informou sobre o convênio da FATRES de cisternas para 80 casas para cada município, onde o vereador manifestou apelo em reunião e parte dessas cisternas chegaram e outras estão chegando. “Os agentes comunitários de saúde podem estar informando às famílias sobre essas cisternas, levando CPF para cadastro”, disse. “A estrada do Rio do Peixe está sendo encascalhada e isso nos deixa feliz”, chamando a atenção para o período que a retro estava quebrada e a comunidade necessita desse equipamento funcionando.

 

O Vereador Gilberto Alves, disse que suas cobranças à prefeita não são feitas apenas na tribuna, mas também aos secretários, inclusive sobre os alvarás de paredões no povoado. Sobre a quadra de esporte a prefeita já garantiu que vai aumentar o alambrado, além da colocação de uma rede que impedirá da bola passar. Cobrou refletores nos pontos de ônibus na comunidade de Melancias e também próximo aos vestiários do campo de futebol do povoado do Peixe. Disse que em seis anos de vereador nunca votou contra os funcionários públicos.

 

O Vereador Samoel Moto Taxi parabenizou os Agentes Comunitários pela luta incansável passando por constantes humilhações e não abaixam a cabeça. “Pessoas que cuidam da nossa saúde, pedem material para trabalhar e não encontram, o nome disso é massacre aos funcionários públicos, maquiam, trazem material de um posto para o outro e recebem isso”, adiantou. “Da próxima vez deixem como está”, completou. “Na tribuna tem vereador que bate e diz que à saúde está ótima, é porque não usa o SUS, não estou falando da UPA, estou falando de ultrassom e um especialista que não tem”, adiantou. Também comentou que a cadeira do Dentista no Bairro Novo Oeste se encontra quebrada, além da falta de equipamentos. “Isto é o que? É má gestão”, respondeu. “Se a prefeita está cercada de maus gestores é porque ela quer”, indicou.  Relatou que há um mês pediu para que fosse fechada uma foça onde um caminhão caiu dentro, e até o momento não foi realizado o serviço.  “É uma vergonha”, completou. Lembrou que os funcionários da SAMU passaram anos mendigando por uma bota, onde vieram receber agora, “Falta vontade de resolver as coisas e os funcionários públicos não podem mais recuar, cobrem, porque o que depender de mim estou rente”, prontificou-se. Sobre a iluminação disse estar um descaso, cada pessoa postava uma foto nas redes sociais mostrando a escuridão. “No Bairro Planaltino só passa a galera do motocross”, reclamou.  “O Planaltino o matagal tomou conta, lama e buraco”, “Você pede uma poda de árvore e não consegue, que a prefeitura faça pelo menos na Praça Ulisses Guimaraes, já que a gente tem que pagar a nossa”. Ainda em tempo falou sobre a motocicleta que vai até o contribuinte cobrar o IPTU, avisando que vi colocar no negativo”, finalizou.

 

 

ASCOM CMV

 

Deixe um comentário