Câmara de Vereadores debate sobre questão do transporte escolar no município

 O Presidente Bruno Vitor iniciou sua fala mandando um abraço especial para o homem do campo e sobre o discurso do colega vereador, Antonio Martinho: “Há muito tempo eu não ouvia essa palavra, sentimentalista. O sentido dessa palavra sentimentalista é eu estar aqui toda segunda-feira para atender o homem do campo, além disso, fomos sentimentalistas no início do nosso mandato, inclusive o senhor, onde devolvemos ao cofre público dinheiro que foi destinado a 200 carradas de água para atender a zona rural”.

Também lembrou das unidades de saúde, construídas com recursos próprios e ajuda do Dr. Pinheiro, na região do Colônia e Mandassaia.

Sentimentalista é ter requerimento para o Colégio do Junquinho, do KM 12, é oferecer água, patrolamento das estradas, é oferecer seção de uso para associações, mas colega vereador, no seu tempo de secretário o senhor só atendia a região do Lajedo, esquecendo de outras regiões. O homem do campo sofre na pele a falta de serviço”. Citou ainda as diferentes localidades que receberam serviços prestados por ele, como Rio do Peixe, pegadas, KM 8, KM 10, lajedo, Fazenda Volta, Mandassaia, Camboeiro, Barro Vermelho.

 

 


 OVereador Jó Queiroz,  parabenizou o secretário Ed Carlos pelo esclarecimento do transporte dos alunos que estudam em Jacobina e enfatizou ainda que cada município deve arcar com seus alunos, assim como a prefeita Lydia arca com os daqui.

Jó solicitou que a gestão construa um canteiro e iluminação na Avenida Transamazônica, no bairro Planaltino: “É uma obra de muita importância, os moradores poderão realizar caminhada, melhorando assim a qualidade de vida. Conversei também com o secretário Hélio sobre a Rua Caiçara, que também necessita com urgência de reparos, bem como as obras de esgotamento sanitário, pois a população não aguenta mais o mau cheiro”, concluiu o vereador.

 

O Vereador Lucas Maciel, agradeceu ao vereador Jefferson por esclarecer os motivos para indicação da doação de terreno para associações: “É exatamente assim que eu vejo, as associações são importantes para o desenvolvimento econômico, cultural e na inclusão social, bem como no desenvolvimento dos esportes e cursos profissionalizantes. E a prefeitura tem terrenos que podem ser destinados para essas associações”, afirmou o vereador.

Lucas ainda prestou conta das atividades do projeto Gabinete Itinerante, realizado no bairro São Luiz: “Antes de promover essa ação, deixamos em aberto para que a população diga onde mais está precisando. Foram quase 70 pessoas atendidas, entre os serviços como o corte de cabelo, atendimento médico e jurídico. Além disso ouvimos as reivindicações feitas pelos moradores, como iluminação pública, pavimentação e a construção de praça, que serão direcionadas as secretarias responsáveis. Entendemos as dificuldades que o município enfrenta, afinal Capim Grosso cresce num ritmo acelerado”.

O vereador também parabenizou o secretário Ed Carlos pelas explicações sobre o transporte de alunos que estudam em outro município. E pediu um atendimento especial para aqueles que procuram a secretaria de saúde em busca de atendimento médico, mesmo em outras cidades.

 

O Vereador Jefferson Ferreira, iniciou sua fala sobre o pronunciamento do secretário Ed Carlos: “Quero parabenizá-lo pela coragem de ter vindo aqui a esta casa para explicar e trazer dados que agreguem no desenvolvimento da nossa cidade. Também parabenizo a prefeitura municipal, por ter uma lei específica que garante o transporte público aos alunos que estudam em Jacobina. Desde de fevereiro que entramos em contato com o secretário de educação para informar que o transporte que era oferecido não estava atendendo aos estudantes da nossa cidade. Outra problemática é a carteirinha que os estudantes têm que fazer para garantir o transporte. A prefeitura tem suas obrigações, mas os estudantes também têm que fazer sua parte. Em outro momento estive com a prefeita Lydia e com os secretario Ed Carlos e Luiz Fontoura, para definir a data que os ônibus começariam a rodar, por isso tenho minha consciência tranquila que contribui para que esse o transporte fosse disponibilizado”. O vereador ressaltou ainda que, em momento algum a prefeita se opôs a ampliar a oferta de ônibus.

Em relação ao calçamento no Planalto, comentou: “Infelizmente a gente passa pelo Planaltino, eu estive lá domingo e vi espalhados alguns meios-fios em ruas que já foram calçadas, mas a empresa falha mais uma vez. E nós fizemos uma reunião com o engenheiro responsável para esclarecer vários pontos, inclusive a desculpa que ele nos deu naquele momento foi que o padrão da Caixa Econômica Federal mudou, e que não tinha pronta entrega em Capim Grosso. Mas isso já tem quase 90 dias, porém fazer calçamento sem meio-fio novamente para chover e tem que desmanchar, é um absurdo”.

Sobre as estradas da zona rural disse que já acionou os secretários responsáveis, tanto o de transporte, como o de agricultura e urbanismo, visando facilitar a locomoção dos ônibus escolares. 

Também parabenizou o vereador Josemy pelo requerimento para Avenida Transamazônica, pelo grande número de pessoas que fazem caminhadas naquela região. O edil lembrou da solicitação da reforma da academia localizada no em frente ao Posto do Estado: “Hoje eu me sinto na obrigação de fazer o requerimento via casa para que a gente possa resolver, pois já algum tempo estamos tentando resolver a reforma dos aparelhos, para assim voltar a oferecer os exercícios para os idosos”.

 

O Vereador Gilberto Alves, agradeceu toda comunidade, os moradores da zona rural, ao amigo Godô, e ao ex-vereador, Antônio de Brás: “Estivemos na SEINFRA para cobrar a extensão de rede de água e luz, bem como os títulos de terra os moradores da zona rural. Inclusive recebemos mais um trator para beneficiar o homem do campo”, disse Gilberto.

Sobre a praça, o vereador pediu um pouco mais de paciência, pois a previsão de entrega é dia 9 de maio: “Em seis anos de mandato, nunca vi uma prefeita fazer tanto como Dra. Lydia. E os moradores da Melancia também logo mais ganharão a tão sonhada praça e o parque infantil”, concluiu. Além disso, parabenizou o professor Ed Carlos, que vem exercendo um trabalho brilhando na secretaria de educação.

 

O Vereador Arivelton Mota falou da viagem a cidade Morro do Chapéu: “Acompanhamos a prefeita Lydia em homenagem as 500 viagens do governador da Bahia, Rui Costa e participamos da inauguração da BR-144, que liga Morro do Chapéu a Várzea Nova. Aliás, Capim Grosso vem sendo beneficiada cada vez mais com essa gestão, pois também recebemos um trator, através do senador Otto Alencar e de seu irmão, Eduardo Alencar, e que será muito utilizado na zona rural”, disse.

O vereador também falou da sua cobrança sobre a questão da parte asfáltica do ramal até Caiçara: “Dra. Lydia estava comigo e não vamos parar enquanto não conseguirmos. Inclusive, o projeto de topografia já está pronto. Só estamos aguardando a parceria entre a Bacia do Jacuípe e a SEINFRA.

Também parabenizou a presença do secretário Ed Carlos, por sua explanação do transporte para alunos que estudam fora. Sobre cobranças de roçagem nas estradas vicinais, encaminhou todos os pedidos para o secretário de agricultura, que prometeu prioridade após o feriado de Páscoa.

O Vereador Samoel, comentou a fala do secretário de Educação: “Ouvi atentamente e digo que, se preciso for, irei publicar mais 10 vezes as reclamações dos estudantes. Afinal, se a prefeitura publica que pode levar mais de trezentos alunos, ela tem que dar conta. Que bom que Ed Carlos veio para resolver, bom seria se todos os outros também viessem. Desde o outro mandato que faço reivindicações na área da educação, como a escola onde as crianças aprendiam em uma cachoeira de cavalos, simplesmente para manter seus eleitores, mas as crianças estavam sentadas no chão, mas eu não me calei e tive coragem de denunciar. Não é porque sou da oposição, os próprios alunos estão comentando na página da prefeitura, que desde o ano passado vem sofrendo com a superlotação”, enfatizou o edil.

Ainda sobre educação, o vereador disse: “Em pleno século 21, as professoras tomam conta de crianças de diferentes níveis, na mesma sala de aula. Como elas vão desenvolver um bom aprendizado? Mas isso ninguém fala né”.

Da Praça de Pedras Altas, comentou: “A obra foi inaugurada em 2017, mas a prefeitura está colocando placas nos contornos informando de uma nova praça”, indagou.

 

O Vereador Samoel, comentou a fala do secretário de Educação: “Ouvi atentamente e digo que, se preciso for, irei publicar mais 10 vezes as reclamações dos estudantes. Afinal, se a prefeitura publica que pode levar mais de trezentos alunos, ela tem que dar conta. Que bom que Ed Carlos veio para resolver, bom seria se todos os outros também viessem. Desde o outro mandato que faço reivindicações na área da educação, como a escola onde as crianças aprendiam em uma cachoeira de cavalos, simplesmente para manter seus eleitores, mas as crianças estavam sentadas no chão, mas eu não me calei e tive coragem de denunciar. Não é porque sou da oposição, os próprios alunos estão comentando na página da prefeitura, que desde o ano passado vem sofrendo com a superlotação”, enfatizou o edil.

Ainda sobre educação, o vereador disse: “Em pleno século 21, as professoras tomam conta de crianças de diferentes níveis, na mesma sala de aula. Como elas vão desenvolver um bom aprendizado? Mas isso ninguém fala né”.

Da Praça de Pedras Altas, comentou: “A obra foi inaugurada em 2017, mas a prefeitura está colocando placas nos contornos informando de uma nova praça”, indagou.

Samoel falou sobre as cobranças que os vereadores vêm recebendo referentes a realização de partos: “A situação que a gestante enfrenta em Capim Grosso é alarmante. Ela não é avaliada no hospital da cidade, ela tem que sair e muitas vezes pagar por uma consulta. E ainda temos que fazer como antigamente, colocar em nosso carro e levar para outro município. Não estou aqui jogando para a torcida, estou defendendo o povo, pois a prefeita é paga para resolver os problemas da população, bem como os secretários”, finalizou. 

 

O Vereador Antonio Martinho, falou sobre o discurso que ouviu sobre o morador do campo: “Um discurso sentimentalista, que fica parecendo que o povo do campo são bichos e desprezados. Mas eu não vejo isso no campo, hoje no campo nós temos internet, inclusive os moradores do campo estão nos vendo agora. Mas eu vi um discurso sentimentalista de que o povo do campo vive passando fome, visita uma família, que a situação é complexa e depois vem com discurso sentimentalista, mas eu não aceito”, afirmou.

O vereador tratou sobre os requerimentos, um do corrimão na escada do mercado de carne, justificando a necessidade em virtude da quantidade de pessoas que por ali passam, inclusive as segundas-feiras. O Outro foi sobre o transporte escolar para os alunos que estudam em Jacobina: “Ouvimos uma série de reclamações, por isso solicitei o número exato de alunos que utilizam o transporte. As contas que o secretário passou, precisam ser reajustadas”, disse.

Antonio Martinho fez uma observação sobre a secretaria de saúde: “Em outros municípios estão sendo realizados mutirões de catarata, oferecido pelo Governo do Estado, mas nossa secretaria nem sabia dessa importante ação que aconteceu em Miguel Calmon. Em outra situação, uma paciente, que tinha uma consulta particular, não conseguiu o transporte. Hoje, uma companheira nossa tomou dinheiro emprestado, tendo que pagar os exames e o transporte para Juazeiro, pois segunda a secretaria de saúde, o transporte para Juazeiro não é garantido. É preciso melhor esse atendimento”.

Ainda agradeceu os serviços realizados nas estradas vicinais: “Esses serviços precisaram ser feitos periodicamente, e totalmente finalizado para não prejudicar a locomoção do homem do campo. Também estive acompanhando o calçamento do Planaltino, onde fizeram a pavimentação sem meio-fio.  Novamente virou brincadeira”, finalizou. 

 

 

ASCOM CMV