Vereadores votam no aumento do salário dos professores

O esteve plenário lotado e a sessão contou com a presença do Secretário de Educação, Ed Carlos Neto, na manhã dessa terça-feira, 21 de março.

Palavra do Presidente - Bruno Vitor disse que recebeu do Naepi uma mensagem em homenagem ao Dia Internacional das Pessoas com Síndrome de Dowm, e Capim Grosso tem um local para cuidar dessas pessoas. Informou que os pares da Casa já estão visitando as Câmaras de Vereadores vizinhas, iniciando em Gavião, refletindo o apoio à UPA 24 horas, “as cidades vizinhas estão piores que nós na área de saúde, é difícil encontrar médicos para contratação”, completou. Disse que o prefeito de Gavião informou que a cidade está para regulação da UPA de Riachão do Jacuípe, que se encontra fechada, então os pacientes estão sendo atendidos em Capim Grosso, completando os 80% dos atendimentos que são de fora. Adiantou também que qualquer vereador pode fazer uma nota de repúdio e enviar para um deputado. Criticou a Reforma da Previdência e disse que vai lutar ao lado dos trabalhadores para que tenham direito à aposentadoria, onde a Câmara de Vereadores está enviando uma Moção de Repúdio para a Câmara dos Deputados e ao Senado Federal.

Jó Queiroz - Falou que já tinham pedido para que o Projeto do aumento dos salários dos professores fosse colocado em votação, e agora que chegou à Casa, que seja colocado em primeira e segunda votação. Pediu que as pessoas visitem sempre o Plenário da Câmara para assistir as sessões e saber quem está a favor ou contra.

 

 

Lucas Maciel - Disse que a Comissão de Finanças teve um trabalho duro essa semana por conta de muitos projeto, e que foram analisados de forma não só política, mas também técnica, com isso, as Leis possam ser aproveitadas, como a emissão de notas que trará benefícios. “Essa Câmara vota Projeto de Lei com responsabilidade, como esse do Refis e outros”, disse. “Ontem teve manifestação contra a PEC da previdência em Capim Grosso, hoje tem em Juazeiro, quando a gente fala que o Governo Estadual está trabalhando é quando faz uma barragem e quando a gente ver que a prefeitura está trabalhando é quando os funcionários são pagos devidamente, ruas limpas, e quando a gente ver que o Governo Federal está trabalhando? Quando a economia vai bem. E o que a previdência tem culpa do que aconteceu no país? quero louvar a nota de repúdio dessa Casa”, comentou. “Eu aprendi em casa que toda estrutura de gestão é transporte e funcionários, e os professores precisam de carinho especial e eu não deixaria nunca o apoio contra a PEC e a favor do aumento salarial”, finalizou.

Nem da Pastoral - Disse que é importante a transmissão ao vivo das sessões, pois o que se fala é ouvido nas casas e o povo fica sabendo o que o vereador está fazendo. Em relação à manifestação da última segunda-feira, “Infelizmente a gente esperava que tivesse mais pessoas, pois a PEC da morte quer acabar com a classe sofrida, como: professores, moradores da zona rural, mulheres, área da saúde; a gente fica preocupado, já pensou os professores todos velhinhos na sala de aula? Não vai ter gás”, indagou. Disse que o Presidente tem a maioria na Câmara dos Deputados, “não depende da gente, depende dos movimentos das ruas”, continuou. Criticou a demora de atendimento nas filas de banco e pediu resolução emergencial, “não existe, o Bradesco com a clientela que tem, ter apenas dois caixas”. Também comentou sobre o aumento dos salários dos professores que tem toda vida doada para a sala de aula. “O bolsa família municipal precisa ter fundos na prefeitura, pois nessa época de fome e sede não precisa disso, nós não temos emprego, e precisam de paliativos de uma sexta básica todo mês, para famílias carentes, esperamos que a gestão nos ajude”, concluiu.

Arivelton Mota - Disse não adiantar colocar requerimentos sem antes resolver pedidos que foram feitos antes, está fazendo um levantamento de 2013 até 2017 e indo direto aos secretários e a Prefeita. Deixou a indignação sobre a PEC que o Governo Federal está tentando implantar no país, “é uma vergonha para nós aceitarmos esse tipo de atitude e o mais prejudicados serão as pessoas da zona rural, professores e funcionários públicos”, disse. “Quero parabenizar à Câmara de Vereadores pela Moção de Repúdio enviada para a Câmara dos Deputados e ao Senado para provar que estamos contra”, completou. Sobre o reajuste salarial, disse que os professores podem contar com os vereadores da Casa, e vai ser votado em primeira e segunda discussão.

 

Gilberto Alves - Ofereceu apoio ao aumento de salários dos professores e também pediu economia para ajudar as pessoas mais carentes. Parabenizou professora Tania, que está em Juazeiro para representar Capim Grosso no protesto contra a Reforma da Previdência. Parabenizou os professores pela ação que aconteceu na Praça Otaviano Ferreira. “O conhecimento que tenho hoje foi através de professores”. Disse que sabe que o município é grande, mas é necessário arrumar mais uma patrol para poder passar nas estradas vicinais pra trazer melhoramentos.

 

Jefferson Ferreira - Falou sobre a Paralisação Nacional contra a PEC da morte e parabenizou a classe dos professores, “essa reforma não pode ser aceita por nenhum Deputado, pois são representantes do povo, aumenta a idade mínima da aposentadoria de mulheres em cinco anos, independente das classes, tira um benefício de quem se aposentaria com 65 anos e agora será com 75”. “Todos nós começamos a trabalhar com menos de 20 anos, com a democratização do ensino na última década, pretendemos que os filhos possam cursar uma faculdade, graduar e fazer mestrado, para começar a trabalhar, imagine um filho seu começando a trabalhar aos 30 anos e ter que contribuir 49 anos, sem interrupção?”, indagou. “As redes de televisão, quinta e sexta-feira, começaram a divulgar programas onde dizem que a expectativa de vida dos brasileiros aumentou, uma cortina de fumaça”, definiu. “A oportunidade de estar aqui hoje é porque tive educação, a base de tudo, não pode tratar os investimentos para educação como custo, não formamos cidadãos sem educação”. Parabenizou a gestão municipal pelo aumento dos 7,64 %, “mas acho pouco, precisamos investir em educação, formar cidadãos que vão nos representar no futuro”, finalizou.

Samoel Moto Taxi – Disse que fica enraivado quando ver algumas situações que ocorrem nos municípios, problemas que não há vontade em resolver. “Atualmente o povo passa por situações difíceis, com várias cidades vizinhas que estão se organizando com o FPM menor que o nosso para se livrar da regulação e a gente ver a nossa cidade ficar refém, e sabe que pode formar convênios com cidade vizinhas ou contratar”, reclamou. “Todo dia o povo chorando e os recursos do estado entrando, não vou ficar calado, pois, estou vendo o sofrimento do povo, é necessário um carinho a mais, não pode ficar no comodismo de uma gestão copiar a outra”, completou. “Miguel Calmon fez 400 ultrassons, gestante tem que ter prioridade, vou cobrar e não vou me calar, estou vendo que falta apenas esforço e ainda ver cenas de governo se vangloriar porque entregaram ambulâncias para o município, é bem-vinda, mas não resolve o problema, o que precisamos é de especialistas para atender o povo”, continuou. Disse que cada vereador sabe que o povo vem atrás e pede, “a necessidade é grande na área de saúde, inaceitável que uma pessoa quebre um dedo e tem que entrar na regulação”, disse. “Porque não abre concurso público, já que tem demanda de contratação?”, interrogou. “Esse reajuste dos professores já era para entrar desde janeiro, e paga por aluguel de imóvel um valor porque tem que alugar a casa de quem votou no grupo e esse dinheiro falta na ultrassom”. “Ontem estive na feira livre e falei sobre a ação da ADAB e hoje vem à tona que os grandes órgãos fiscalizadores estão corrompidos, empurrando salsicha com papelão para o povo”, disse. “Eu vi meus pais criados com aquele leite, comendo farinha e bode aqui da região, eles não estão pensando em saúde e sim no imposto, a economia da Bahia foi carregada no lombo de um jumento, meu bisavô morreu com 118 anos comendo mocotó e rapadura”, comentou. ‘Ajudem [professores] essa luta pelo município, não fique de boca calada, ajude a colocar as coisas no eixo e o dinheiro público ser direcionado para o povo, pois é quem precisa, e tem o poder de mudar o mundo pela educação”, concluiu.

Jamber Dantas - Informou que sites da capital baiana estão atentos a devolução dos 20 mil reais para combate à seca. Disse que o país nesse momento tramita a vergonhosa Reforma da Previdência, “deveria tramitar a reforma da moralidade, o que o Brasil precisa é a reforma da Constituição. “Não tem necessidade de um aumento mais que justo, porém mínimo, um direito adquirido”. Comentou sobre o projeto de reciclagem e aproveitamento de resíduos sólidos, “pretendo contar com o apoio dos professores e alunos para que possam fazer o papel do cidadão para uma cidade mais limpa e beneficiar diretamente os catadores”. Visitou a sala de recém nascidos na creche Dulce Vilas Boas e encaminhou ao poder executivo que se instale um ar condicionado. Parabenizou a colocação da rede e areia especial na Praça Gabriel Francisco, que acabou com os problemas dos moradores. Sobre a saúde, disse que realmente é necessário levar as vozes para o Governo do Estado em relação à regulação, mas precisa posicionar o belo trabalho da equipe da UPA. “O poder municipal não tem condições de oferecer o serviço para não depender da regulação, mas um grande esforço está sendo feito”, disse. Falou sobre o envenenamento de animais na cidade, e a polícia civil possa estar abrindo um inquérito para apurar os fatos.

Antônio Martinho - Comentou sobre o aterro das lagoas e dedicou apoio ao Recicla Capim Grosso. Comentou que existem Leis que proíbem os aterros e o setor responsável se justifica que fez notificação, “se notificação resolvesse alguma coisa, era só notificar o Presidente sobre a reforma da Previdência”, falou. Representando a todos que se integraram para diagnosticar as lagoas, acredita que todos estão indignados, “a campanha da fraternidade fala sobre os biomas brasileiros e as comunidades de base de estudo, reflete o tema e quem poderia fazer um pouco a mais tem se omitido”. Repudiou o departamento de meio ambiente. Informou que o sanitarista esteve em Capim Grosso, fechando relatórios dos impactos ambientais e será a última atividade da empresa para entregar o projeto “e agora é hora de todos se juntarem ao governo do estado para angariar projetos de necessidade para Capim Grosso. A Associação do Lajedo vai fazer inseminação artificial para um qualitativo de leite e de carne melhor, é melhoramento genético através de edital público. “A única economia camponesa é a agropecuária e não tem um projeto para esse povo”. Em relação aos professores disse que é importante a greve, indignados com a Reforma da Previdência “e o grupo dos vereadores da Bahia e os deputados do PRB que votar a favor da reforma terá a campanha contra na eleição de deputados e é necessário procurar e falar que são contra”, finalizou.

Nanal Vilas Boas – Disse que os dois projetos que chegaram são de importância e reflete a emenda proposta por ele e tramita na casa sobre o Refis, (Refinanciamento Fiscal), para todos aqueles que tem dívida e estão na inadimplência, “o poder público municipal deu oportunidade de refinanciar a dívida, tirando juros e multas e com possibilidade de parcelar”. Sobre o envenenamento de animais, disse ter reunido com a prefeita e membros da ACAPA e trataram do assunto e prioridades que devem ser tomadas, “os animais estão sendo mortos, assassinados brutalmente, por omissão da polícia e a justiça se faz morosa e acaba no esquecimento, competência do poder municipal de lutar e defender os indefesos”, disse. Quanto as calçadas, falou que são incompatíveis com a realidade de plano diretor e idosos tem dificuldades para caminhar. Ainda se falando na municipalização do trânsito, não se pode municipalizar se as calçadas estão enviáveis para transitar. Outro projeto foi o acompanhamento de ampliação do perímetro urbano e que o estado acompanhe para que os proprietários dos terrenos tenham direito a escrituras. “O piso salarial foi medida importante para o país, e o professor era mal interpretado e não tinha o mesmo valor concernente, sei o valor e a importância de um professor para um país, a economia muda e não se pode parar apenas no que foi proposto, estou também me preparando para entrar nesse corpo docente, sou a favor de uma reforma que seja consciente e transparente”, comentou.

 

ASCOM Câmara de Vereadores de Capim Grosso

Deixe um comentário