Mãe que fraturou 8 costelas do filho é presa; padrasto foi achado morto

A Polícia Civil de São Vicente, no litoral de São Paulo, prendeu, na noite da última quarta-feira, 5, a mulher suspeita de agredir brutalmente o próprio filho, de 4 anos, junto com o companheiro. A criança, que precisou ser reanimada no hospital, fraturou oito costelas e um braço.

A 1ª Vara Criminal do Foro de São Vicente já havia expedido um mandado de prisão no fim da tarde. O padrasto do garoto foi encontrado morto.

A mulher fugiu após o crime e havia se escondido, nos últimos dias, na cidade de Itanhaém, que também fica na Baixada Santista. Ela foi encontrada por policiais do 2º DP de São Vicente, na casa de familiares, e não resistiu à prisão. A reportagem tenta localizar a defesa da suspeita.

O pedido de prisão, feito pá polícia, diz que a mãe do menino, identificada como Julia Cristina Pereira, seria a responsável por agredi-lo junto ao seu companheiro e padrasto da criança, que, segundo informações da polícia, foi assassinado por conta das agressões.

No mandado de prisão, o juiz pontua que "há fortes indícios da autoria dos crimes pela averiguada [mãe], em especial pelas declarações das Conselheiras Tutelares, filmagens e relatório de investigação policial". Segundo as autoridades, o crime supostamente cometido pela mãe "é gravíssimo" e, por isso, ela deve ser encontrada imediatamente.

Além disso, o Ministério Público ponderou que "a forma como o crime foi praticado, bem como seus motivos, denotam que Júlia é uma pessoa de índole violenta e perigosa, capaz de agredir de forma cruel o próprio filho, criança em tenra idade". Por isso, segundo o documento, a prisão é necessária para evitar a "reiteração dessas supostas práticas lesivas".

O caso

O pai do menino cuidava dele e dos outros dois filhos, mas recentemente perdeu a esposa para o câncer. Por conta disso, a ex-mulher dele e mãe do menino disse que ficaria com as crianças para ajudá-lo a passar por esse momento.

No dia 28 de setembro, o menino de quatro anos teria sido agredido pela mãe e pelo companheiro dela.

Após o episódio, o padrasto levou a criança para a casa dos pais dele, que levaram o menino para o hospital. "A mãe do padrasto falou que o filho dela tinha aparecido na casa da família com o menino enrolado em um lençol, e disse que ele [o menino] estava muito mal", explicou a conselheira tutelar Valdelice Alves, em entrevista ao g1.

A conselheira disse ainda que o menino foi reanimado no hospital e contou o que aconteceu para as enfermeiras. "Ele contou que a mãe bateu nele e depois colocou ele no banho gelado. O menino chegou no hospital com hipotermia, por isso foi preciso essa reanimação", explicou a conselheira.

O vídeo feito pela mãe do menino mostra ela falando com ele após as agressões. Ele está sem roupas, encostado na parede e machucado. A mulher diz: "Tá rangindo tu? Tu tá rangindo e tá virando a cabeça? Dentro da minha casa você não vai fazer bagunça. Você não vai fazer bagunça (sic)".

A conselheira tutelar disse que, diante da reação positiva da criança ao ver o pai no hospital, foi tomada a decisão de deixar o menino com ele. Ela disse ainda que o Ministério Público foi informado do caso

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que a delegada da Delegacia de Polícia de Defesa da Mulher de São Vicente não irá falar sobre o caso por se tratar de ocorrência envolvendo um menor de idade.

 

 

Fonte: g1