Capim Grosso e cidades da região voltam a sofrer com constantes quedas de energia

Na noite desta terça-feira, 25 de janeiro,  a população de Capim Grosso, Quixabeira, Várzea da Roça, São José e outras localidades voltaram a viver o efeito pisca-pisca do natal, mais uma vez a péssima prestação de serviço da Coelba trouxe prejuízo e danos a população. Em apenas um intervalo de cerca de 10 minutos, a energia veio e voltou 8 vezes de forma abrupta, o gera danos em equipamentos tanto doméstico como comercial, esse transtorno começou por volta 18:30hs perdurando e se manteve até aproximadamente as 220:00hs.

 Essa situação tem sido rotineira para os moradores destas cidades, o que impressiona é que a Companhia não tem se mostrado interessada em resolver ou pelo menos dá uma satisfação, nestas constantes falta de energia a empresa se quer soltou um comunicado informando qual era o problema ou o que estava fazendo para soluciona-lo.

A redação do FR Notícias foi informado que a prefeitura de Capim Grosso estaria entrando com uma ação no Ministério Público contra a Coelba, mas ainda não confirmou se essa ação já foi feita ou se o Ministério Público já tomou alguma decisão.

Para todos os efeitos, é preciso que a população também comece a agir principalmente, reclamando nos órgãos competente e pedindo o ressarcimento de prejuízos, como o conserto ou a aquisição de novos equipamentos que por ventura tenho sido danificados ou queimados pelas quedas de energia.

O primeiro passo é marcar o horário que faltou a energia para poder relatar a companhia e comprovar que de fato a oscilação da energia causou o dano.    

De acordo com a Lei, os consumidores podem solicitar o ressarcimento dos prejuízos: Pelo telefone 0800 071 0800 ou no site da própria Coelba que consta na conta de Luz. www.neoenergiacoelba.com.br

A Coelba tem até dez dias para vistoriar os aparelhos que apresentarem defeito. Em caso de aparelhos essenciais, como geladeira, o prazo é de 24 horas. Após a inspeção, a empresa tem 15 dias para comunicar a decisão. O ressarcimento ou conserto do aparelho deve ser concluído em, no máximo, 45 dias após o registro da ocorrência.

Redação Fr Notícias