São José do Jacuípe: professores paralisam atividades por não reajuste salarial

Os professores do município de São José do Jacuípe, por meio da APLB-BA, comunicaram à Secretaria de Educação local que a categoria estará paralisando suas atividades entre 21 e 23 de setembro, realizando atos de protestos e mobilizações decorrência do não cumprimento do reajuste de 33,24% de forma linear. De acordo com a categoria, os mesmos tentaram dialogar e negociar, mas a Gestão Municipal nega cumprir, mesmo sendo um direito dos professores.

 

A secretária, Andreia Lima dos Santos, enviou um ofício no último dia 13 de setembro em que avisa à categoria que a paralisação teria sido a “última tolerada e havendo uma outra será descontado o dia não trabalhado, bem como encaminhado para o setor competente do município do município para que sejam tomadas as medidas cabíveis”.

Os professores enviaram uma carta aberta aos pais e aos estudantes informando sobre a paralisação. “Queremos deixar claro que não estamos satisfeitos com a situação, no que diz respeito a não termos nossos direitos garantidos conforme a lei do piso, porém entendemos que este é nosso principal meio de luta, essencialmente contra a falta de cumprimento do gestor”, diz o comunicado.

A categoria ainda afirma, no comunicado, que segue aberta à discussão para que a paralisação seja encerrada da melhor maneira possível. “Mesmo diante destas condições instáveis, estamos abertos a discutir possibilidade de fim de paralisação, como categoria, manifestando nossa intenção de que as aulas retornem, visando reparar os impactos da paralisação”, afirma.

O reajuste de 33% defendido pelos professores segue os critérios da antiga lei do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento e Manutenção da Educação Básica), substituída por uma nova versão aprovada no fim de 2020.